Rádio Mega Star

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Médica que matava pacientes da UTI presa.

Quero desentulhar a UTI', disse médica.

 Virgínia Soares Sousa foi denunciada por colegas por desligar aparelhos de pacientes internados na UTI, em Curitiba. Testemunhas dizem que ela privilegiava pacientes particulares e conveniados.

Está presa desde a última terça-feira a médica Virgínia Soares Sousa, acusada de homicídio qualificado contra pacientes internados na UTI do Hospital Evangélico de Curitiba.
As denúncias de que estaria cometendo crime partiram de funcionários da unidade, e as investigações duraram um ano. Virgínia dirigia o setor da UTI do hospítal, onde trabalhava desde 1988.
Em trechos do depoimento prestado pela médica à polícia nesta quarta-feira, obtidos pela "RPC TV", Virgínia disse ter sido mal interpretada por falas como "Quero desentulhar a UTI que está me dando coceira", relatadas por companheiros de trabalho.
A médica foi denunciada por um ex-colega de trabalho acusada de matar pessoas internadas para abrir novas vagas de UTI para pacientes conveniados ou particulares, em detrimento de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).
Outra frase presente no inquérito e que teria sido dita pala médica sobre os pacientes internados em UTI é "Infelizmente é nossa missão intermediá-los do trampolim do além".
O técnico em enfermagem Silvio de Almeida, que já trabalhou junto com Virgínia no mesmo hospital, afirma que a médica abreviava a vida dos pacientes com o respirador:
"A mínima quantidade de oxigênio que o respirador podia mandar, ela deixava [o mínimo é 21%]. Eu já vi ela várias vezes desligando o respirador", contou o ex-funcionário.

Outro ex-funcionário conta que Virgínia ligava para outros médicos, que também costumavam desligar os aparelhos de pacientes:
"São dois médicos e uma médica, só que esses eu não vou citar o nome, que fazem a mesma coisa, que têm a mesma conduta que ela", disse.
Uma nota divulgada pelo Hospital Evangélico de Curitiba diz que o caso foi pontual, e que a postura de Virgínia não reflete o comportamento da equipe da unidade, composta por mais de 300 médicos.

A médica Virginia Helena Soares Souza Marcelino é acusada de matar vários pacientes de UTI. Ex-empregados começaram a dar depoimentos sobre como ela chefiava a UTI e sobre como ela matava os pacientes. Ex-pacientes começaram a dizer que tentaram matá-los desligando aparelhos. O negócio tá tão feio lá que já afastaram 47 funcionários!
Aparentemente a investigação começou em 2011 quando ela foi afastada temporariamente por desentendimentos com a equipe médica. Houve também um caso em que o hospital levou fumo da vigilância sanitária por acharem cinzas de cigarro na UTI. Alguns funcionários reclamaram de… tamancadas?
E um dos depoimentos diz que ela aparentemente matou o próprio marido, o Doutor Nelson Mozachi pra pegar o lugar dele como chefe da UTI.
De acordo com investigações, ela não matara pacientes do SUS para liberar espaço para pacientes particulares, mas sim por convicção. Quem ela achara que ia morrer, ela matara usando de artifícios para parecer que morreram por meios naturais.
O Hospital Evangélico de Curitiba tá ferrado agora. Com dívida de 260 milhões de reais, recursos públicos atrasados e funcionários entrando em greve por falta de pagamento, agora ninguém mais é doido de querer ir pra lá. Eu já não ia querer por não confiar muito em religiosos, com esse papinho de vida após a morte ser melhor do que a que eu tenho e coisa e tal… Agora com esse negócio de matar pacientes é que eu não vô mesmo!
 Só lembrando, o que ela tá sendo acusada de fazer não é eutanásia. Eutanásia é quando um paciente em estado terminal pede pra morrer, pra não ficar sofrendo à toa. É possível que ela tenha feito isso até. Mas o ela tá sendo acusada mesmo é de olhar pro paciente, achar que ele vai morrer e terminar o serviço.

 Médica matava pacientes dos SUS para sobrar vagas em UTI, para pacientes credenciados

A delegada do Núcleo de Repressão aos Crimes Contra a Saúde (Nucrisa) de Curitiba, Paula Brisola, indiciou a médica Virgínia Soares de Souza pelas mortes ocorridas na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Evangélico de Curitiba. Para a polícia, se trata de homicídio qualificado, porque as pessoas não tinham chance de se defender.
A médica Virgínia Soares de Souza, que dirigia o setor de UTI do hospital, foi presa na manhã de terça-feira (19) em uma operação que investiga uma série de mortes na UTI do segundo maior hospital da cidade. A médica prestou depoimento na tarde de terça-feira, mas o conteúdo não foi divulgado em virtude do sigilo.
“Se havia consentimento das vítimas ou dos parentes faz parte da investigação. Ainda não está descartado”, explicou a delegada. Ela disse que todas as denúncias serão investigadas, e caso seja constatada a indução à morte com o consentimento dos pacientes ficará configurada a prática de eutanásia. De acordo com o Código Penal Brasileiro, eutanásia se enquadra no artigo 121, homicídio, com pena entre 6 e 20 anos de prisão.





Fonte:Cachoeiroviais,Ateus do Brasil,Voz de Feira.